quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Esposa que escapou de agressões do marido dentista achou que “iria morrer”.

Esposa que escapou de agressões do marido dentista achou que “iria morrer”
Suspeito foi preso em flagrante na segunda-feira (13) e continuava na cadeia até esta sexta-feira (17).
Vizinhos ouviram gritos por socorro e chamaram a polícia.
Esposa que escapou de agressões do marido dentista achou que “iria morrer”Suspeito foi preso em flagrante na segunda-feira (13) e continuava na cadeia até esta sexta-feira (17). Vizinhos ouviram gritos por socorro e chamaram a polícia.Esposa que escapou de agressões do marido dentista achou que “iria morrer”.
“Senti que ia morrer”, conta a estudante de direito Darliane Rigotti Spada, de 35 anos, de Cascavel, na região oeste do estado. De acordo com a Polícia Civil, ela foi agredida pelo
marido, o cirurgião-dentista César Augusto Spada, de 43 anos. Ele foi preso em flagrante na segunda-feira (13) e, até a manhã desta sexta-feira (17), continuava na cadeia. A reportagem tenta localizar a defesa de César. A vítima relata que eles brigaram pela manhã, logo ao acordar. “Foi o momento em que se iniciou uma discussão e começaram as agressões”, lembra. A estudante conta que o suspeito a agrediu com as mãos e os cotovelos.
Darliane teve machucados na cabeça, nos olhos, na boca e com o nariz quebrado. (Foto: Arquivo pessoal)
Enquanto apanhava, Darliane lembra que só teve forças pra pedir socorro. “Eu comecei a gritar por socorro. Foi quando fui ouvida pelos vizinhos e os policiais militares chegaram. Se não chegassem, acho que não estaria aqui hoje”, relata. A estudante ficou internada por dois dias. No hospital, tirou uma foto onde aparece com machucados na cabeça, nos olhos, na boca e com o nariz quebrado. Durante a entrevista à RPC, Darliene optou por não mostrar o rosto porque ainda se sente constrangida com os ferimentos. A estudante registrou Boletim de Ocorrência (B.O) e, na quinta-feira (17), prestou depoimento na Delegacia da Mulher de Cascavel.
Darliane teve machucados na cabeça, nos olhos, na boca e com o nariz quebrado. (Foto: Arquivo pessoal)

“A atitude que teve, ativa, de pedir socorro, foi fundamental para que ela estivesse viva. [Queria] Parabenizar a atitude dos vizinhos, que não se omitiram e acionaram a polícia, o que evitou uma tragédia maior”, diz a delegada Raíssa Vargas. César está sendo indiciado pelo crime de lesão corporal. A pena pode chegar a cinco anos de prisão, dependendo da gravidade das agressões. Ele também pode responder por tentativa de feminicídio, caso a polícia confirme que o cirurgião-dentista teve a intenção de matá-la. O casal estava junto havia seis anos e tem uma filha pequena. A vítima relata que já foi agredida outras vezes pelo marido e revela porque insistiu no relacionamento.
“A mulher tem, não sei se é um dom ou defeito, de sempre acreditar que pode dar certo”, explica.
Ela acredita que a mulher deve ter força para denunciar. “Não fique com medo. Porque a pessoa pode estar sendo constrangida para não procurar, né? Mas procure porque há meios de se proteger. Há meios de se ter os seus direitos garantidos”, afirma. Neste ano, mais de mil casos de violência contra a mulher foram registrados em Cascavel. A delegada explica que o pedido de ajuda deve ser feito antes da agressão acontecer. “As mulheres também podem procurar a Delegacia da Mulher para acompanhamento psicológico porque muitas estão em uma situação de vulnerabilidade tão grande que não têm coragem de denunciar ou de levar esse procedimento criminal adianta”, acrescenta.  FONTE: vitoriadaconquistanoticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário